sexta-feira, 5 de junho de 2009

Palco.

De todas as cadeiras, eu escolhi a mais longe possível para sentar. Não era nada confortável, e havia alguém usando chapéu de palha bem na minha frente. Eu não poderia jamais enxergar qualquer coisa, e também não queria. Estava ali só para dizer que estive e nada mais.

Porém todas as palavras bonitas que saíram quase vomitadas daquele palco me fizeram mudar de idéia, mas eis que era tarde. Eu devia estar na primeira fileira, olhando bem nos seus olhos, em vez de deixá-los vagando pelo espaço lotado sem minha presença. Quis ser orgulhosa e fingir não me importar, mas o arrependimento depois foi maior e doloroso.

Teria algum direito de ir correndo até você, mesmo quando deveria me esconder ainda mais debaixo dessa vergonha? Um abraço, e nada mais. É tudo o que quis fazer.

A ironia é que eu não consigo fingir mágoa, e qualquer frase mais enfeitada eu já me derreto e desculpo.

Então corri.

18 comentários:

R.Vinicius disse...

Hum. Faz tempo que não venho aqui. Fazia falta. Você como sempre escrevendo maravilhosamente bem e nos mostrando o seu talento. Me sinto honrado por ter a oportunidade. Como vai o Livro? Quando sair me avise, pois pretendo comprá-lo. Às vezes correr é o melhor a ser feito.

Abraço,

R.Vinicius

disse...

Então corri.
Sei bem como é isso, e o quanto correr pode solucionar e piorar as coisas.
E por mais que eu pense que não é a melhor escolha, eu continuo correndo. Porque no momento é a unica coisa que eu consigo fazer.

Beeijos
;*

Fabi Celso disse...

correr até cansar.
se correr o bicho pega se ficar o bicho come, :S

mas é assim msm!
:*

Lari Bernardi disse...

Esses seus textos enchem meus olhos de lágrimas...

;*

Sam disse...

eu sou covarde e sempre prefeiro correr a fitar um olhar interrogativo...

;*

Larissa disse...

tava com saudade.

Larissa. disse...

Muito bom o seu conto.
Adorei!
bjos
;**

Nina Fernandes disse...

fugir..
deixar pra depois..
ou pra nunca mais..
será essa a melhor escolha?!

Jéssica V. Amâncio disse...

orgulho, arrependimento e fuga. ahh, vai dizer que ninguém é assim?! todo mundo uma hora ou outra faz isso, uns fazem sempre outros não. mas ninguém deixa de fazer.

Flá. disse...

Nós, seres humanos, somos mesmo uma confusão...

Malaguetta disse...

a gente quer ser sempre tão forte.

Carlo disse...

Gostei disso. Quem diria que tu era poetisa também? Realmente, gostei disso.

Diego Martins disse...

Orgulho é um trenzinho danado, as vezes ele nos prega peças que o coração não compreende. Né?

Ahhh... eu vou voltar, calma! Tenho muita coisa pra te contar daqui. Mas não voltei ainda pq tô esperando pra gente tomar aquele café! ahhahahhaha

;)

SAUDADES!
E All my Loving, é simplesmente diiimai, impossivel não gostar né?..rs

katy disse...

corra enquanto ainda pode alcançar, enquanto seus olhos ainda se procuram. depois que isso acaba, é tarde demais... bjs

Nayara .NY disse...

Que a corrida tenha sido válida!

Bonie disse...

Não é ótimo sentir o vento batendo no rosto quando você corre?

Gustavo Paiva disse...

Orgulho, orgulho, orgulho...
Ê, coisa ruim!
Mas todos nos temos, não é?

Amei seu texto.

Brunadovinil disse...

Na hora corremos.

Mas... e depois? O que fazer?